UFRN vai produzir 55 mil litros de álcool 70%

Compartilhe:

Após o Brechando divulgar que as empresas Ale e Sterbom se uniram para produzir álcool para as unidades básicas de sáude nas comunidades mais pobres do RN, outra instituição potiguar também produzirá o produto. É o caso do Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Nuplan/UFRN), que nos próximos cinco meses produzirão 55 mil litros de álcool 70%. De acordo com Agecom, a agência de notícias da UFRN, a elaboração já começa ainda nesta semana e é uma ação de parceria com o Governo do Estado para evitar a proliferação do Coronavírus.

O Núcleo estima alcançar uma capacidade de produção e envasamento de 11 toneladas/mil litros do produto por mês, e está disponibilizando sua infraestrutura para executar a diluição e manipulação do álcool, eficaz na desinfecção das mãos e objetos.

Enquanto não se consegue agilizar a importação de polímero, matéria prima para a produção de álcool em gel, em falta no mercado nacional, o Nuplam começará a produzir o produto líquido. Os insumos necessários, álcool, embalagem, rotulagem, serão destinados através de doação ou por meio de compra direta partilhada entre a UFRN e Estadp.

A direção do Nuplam, reforça que a unidade tem estrutura física, servidores qualificados e competência para atender a essa demanda, tendo em vista a escassez de produtos para a prevenção. “Estamos movimentando todos os esforços para assegurar essa produção com intenção de minimizar os efeitos dessa pandemia”, acrescenta a professora Lourena Mafra, vice-diretora do Nuplam em entrevista a Agecom.

Ao todo foram 14 casos confirmados da doença aqui no Rio Grande do Norte. Um dos avanços no estado foi a parceria da universidade, através do Instituto de Medicina Tropica, e o Lacen, Laboratório Central de Saúde Pública do Estado, que irão fazer os testes do Covid-19 no RN, sem precisar levar mais para o estado do Pará, no qual os exames demoravam no mínimo sete dias para ficar pronto.

Foto acima do título: Cícero Oliveira (Agecom/UFRN)