Ster Bom e Ale criam álcool 70% no RN

Compartilhe:

Após a ação da Ambev em desenvolver um álcool em 70% para os hospitais públicos para aqueles que não tem acesso, o Rio Grande do Norte também realizou uma ação semelhante. As empresas Sterbom e Ale se uniram para desenvolver um álcool 70% para as comunidades carentes.

A logística de distribuição do álcool doado pelos empresários se dará através da rede de unidades básicas e de agentes comunitários de saúde, já que não poderá ocorrer entrega massiva com aglomeração de pessoas. Os agentes de saúde estão presentes em todos os municípios e nos bairros mais carentes da capital.

Em uma semana, o Rio Grande do Norte saiu de um caso confirmado para nove, além de centenas de casos suspeitos.  Esses dados são da Secretaria Estadual da Saúde (Sesap).

A Ale é a uma famosa rede de postos de combustível do estado e a Sterbom é uma famosa marca de sorvetes e picolés da cidade. A primeira empresa citada será responsável pela produção do álcool e a outra será responsável pela distribuição e embalagem.

O uso do álcool a 70% para desinfecção das mãos e de objetos é uma das medidas mais recomendadas pelo Ministério da Saúde para conter o avanço do coronavírus. O consumo cresceu absurdamente e atualmente é um produto escasso no comércio, tendo seu preço inflacionado pela grande procura.

A pandemia da Covid-19 começou atingindo as classes média e alta. O grande temor agora é com sua chegada às comunidades carentes, onde faltam meios para práticas básicas de higiene e prevenção devido à falta de dinheiro, inclusive para comprar álcool.

A iniciativa do grupo Ale Combustíveis e da Sterbom é uma primeira ação voltada para essas comunidades, que vivem em difíceis condições sanitárias, de moradia e de renda. Ações como esta são consideradas de grande valia para diminuir o número de pessoas infectadas pelo coronavírus, reduzindo a busca por hospitais e evitando mortes.

Segundo dados do cadastro único dos programas sociais do Governo Federal, o RN tem cerca de 340 mil famílias abaixo da linha de pobreza. As empresas esperam contar com a participação de outros empresários, que possam ampliar a sua iniciativa e assim atinjam ao máximo de pessoas nessa condição de renda, com a maior brevidade possível.