Potiguar Renata Moura está entre os 200 jornalistas do BR mais premiados

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


A jornalista potiguar Renata Moura nesta semana está na lista dos 200 jornalistas mais premiados do Brasil, segundo a apuração do Portal dos Jornalistas. Com experiência há mais de 15 anos no jornalismo, Renata 27 prêmios de jornalismo entre os anos 2011 e 2017 – e listada pelo Portal dos Jornalistas entre os jornalistas mais premiados do Nordeste e do Brasil. Em 2019, contemplada pelo Social Innovation Fund da BBC, em parceria com Janay Boulos, da BBC Árabe. A pauta foi uma das 7 selecionadas entre 70 sugeridas por jornalistas da BBC, no mundo.

Foi repórter da BBC News Brasil em Londres, repórter e editora da Tribuna do Norte em Natal e repórter colaboradora da Folha de S. Paulo. Em fevereiro de 2020, fez parte da equipe responsável por análises de mídia para o Ministério da Economia, por meio da In Press Oficina. Agora, assessora de comunicação do Instituto Santos Dumont, Organização Social vinculada ao Ministério da Educação que engloba o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra e o Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi. Tem MBA em Agronegócios (Esalq/USP), faz mestrado em Investigative Reporting (Birkbeck University of London) e graduação em economia (UFRN).

A lista que Renata está conta com jornalistas famosos na grande mídia, como Ricardo Noblat, Zuenir Ventura, Míriam Leitão e entre outros.

Uma de suas reportagens mais famosas é a história da catadora de lixo de 42 anos aprende a ler com filho de 11 anos em Natal, trazendo comoção e chamou bastante a atenção dos brasileiros.

Renata Moura já foi entrevistada para falar sobre sua vida em Londres

Nos últimos anos, Renata morou em Londres e ela contou ao Brechando como era trabalhar na Terra da Rainha.  A sua primeira impressão era de um país seguro e com infraestrutura que realmente funciona, como a utilização do transporte público e diversas atividades de lazer. Porém, teve que se acostumar com comportamentos estranhos, como os volantes dos carros instalados do lado direito e atravessar a rua.

“Foi difícil me acostumar a olhar para o lado certo, apesar de as ruas terem inscrições no chão indicado quando é preciso olhar para esquerda ou para a direita rs. Além disso, não só os ingleses, mas os vários imigrantes que vivem em Londres andam com muita pressa. Você sente muitas vezes que vai ser atropelado se não for no mesmo ritmo deles, principalmente nas ruas mais movimentadas e nas estações de metrô.”.

Além disso, ela conseguiu ter algumas experiências como uma moradora londrina. “Poderia citar que adoro ir aos pubs mais locais, frequentados por quem vive em Londres, também adoro descobrir o que vários parques públicos têm ao me oferecer, adoro juntar as pessoas e ver como os londrinos ficam animados para o verão, se estendendo na grama, sob o sol ou comendo ao ar livre.”.

A entrevista completa pode ser lida a seguir.

Jornalista cearense está em primeiro lugar no prêmio dos melhores do Nordeste

O jornalista Demitri Túlio, de O Povo, foi o vencedor nordestino do +Premiado Jornalista da História na Região Nordeste. O reconhecimento reforça um jornalismo de qualidade, combativo, que o jornalista cearense vem desenvolvendo em redações há 25 anos. Recentemente, ele denunciou a postura do Colégio Militar de Fortaleza sobre o retorno de suas aulas presenciais, uma vez que era contra a determinação do Estado, além de não citar o Covid-19 em provas.

Como resultado, ele recebeu diversos ataques nas redes sociais.

Na mais diversificada das regiões, a segunda colocação ficou com a pernambucana Juliana de Melo, do Jornal do Commercio, enquanto o paraibano Wendell Rodrigues da Silva, da rádio e TV Correio, completa o pódio na terceira posição.

Os Top 10 contam ainda com Claudio Ribeiro (4º colocado), Ciara Nubia de Carvalho (5ª), Melquíades Júnior (6º), Teresa Maia (7ª), Silvia Bessa (8ª), Thiago Correia (9º) e Ed Wanderley (10º). Já a Renata Moura ficou na 32ª colocação.