100k de mortos por Covid e a imprensa foi sensacionalista?

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


O Brasil atingiu mais de 100 mil mortos por conta do novo coronavírus. Em cinco meses, os óbitos são maiores que as taxas de homicídios nos últimos 12 meses. Por isso, alguns jornais criaram diversos editorais, sendo que o que mais chamou atenção foi do Jornal Nacional, da Rede Globo.

Os âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos realmente foram explícitos, algo que não faz parte da linha editorial do canal, visto que suas críticas são feitas a partir de suas montagens das reportagens. Em sua crítica utilizaram como argumentos a Constituição Federal, o estatuto do Sistema Único de Saúde (SUS) e as declarações de polêmicas do presidente Jair Bolsonaro para defender o argumento de que o Chefe do Executivo Federal estava sendo irresponsável na saúde do povo brasileiro.

O presidente, por sua vez, alegou nas redes sociais, que a Globo estava causando pânico na população.

Neste ínterim vários pensamentos surgiram na minha cabeça, como:

  1. A Globo foi sensacionalista?
  2. O que o código de Ética diz?
  3. Bolsonaro foi cúmplice desta 100k de mortos por Covid?
  4. O que ele poderia ter feito?
  5. Como entender que esse valor de 100k de mortos por Covid em cinco meses são tensas utilizando exemplos de nossa realidade?

Por isso, eu fiz um vídeo em forma de artigo de opinião para explicar esses questionamentos.

O vídeo completo pode ser visto a seguir:

Aproveite portanto para se inscrever no canal do Brechando no You Tube.

Sobre o Curso de Webjornalismo citado no vídeo: https://www.brechando.com/curso-de-webjornalismo-lara-paiva/

Os dados das mortes no Rio Grande do Norte

Até o momento, a média móvel entre os dias 31 de julho a 10 de agosto, nos últimos 15 dias, a média móvel de casos é de 220 novos casos por dia. Já a de pessoas mortas são de 8 óbitos por dia.

Até sexta-feira (8), no entanto, tem 54.881 casos de Covid-19 e 1971 óbitos. Desses 54 mil, apenas 28.243 foram curados.