Farmacêutico batizou os filhos com números franceses no RN

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


Primeiramente tudo começou com Jerônimo Ribeiro Rosado um farmacêutico paraibano e casou com Maria Rosado Maia. Ele teve 21 filhos, no qual uma boa parte recebeu o nome de números franceses, surgindo a história de nomes bizarros no cartório.

O casal e a família se instalaram em Mossoró, onde iniciaram a vida pública e política.

O início dos nomes dados por Jerônimo Rosado

O casal teve três filhos com nomes normais Jerônimo Rosado Filho, Laurentino Rosado Maia, morto após 15 dias de nascimento, e Tércio Rosado Maia.

Maria partiu em 1892, pouco depois do último parto, vítima de tuberculose. A pedido da esposa, ele casou com sua irmã Isaura, para que seus filhos não tivessem madrasta. Então, começa a origem dos nomes estranhos.

O mais engraçado que filhos desses números franceses viraram importantes políticos do Rio Grande do Norte e viraram nome de cidade.

Do segundo casamento, eles tiveram 18 filhos.

Do terceiro até o décimo, a inspiração para os nomes era o latim, colocando números cardinais por extenso como segundo nome e o primeiro Jerônimo ou Isaura, com exceção de alguns filhos.

A partir do 11º e só com a exceção do 12º filho, todos levaram nomes inspirados nos numerais franceses. Foram ao todo 12 homens e nove mulheres.

Infográfico com todos os nomes

Para facilitar o entendimento, a gente montou um infográfico com o nome de todos os filhos de Isaura e Jerônimo Rosado. Confira:

Nomes famosos

O Dix-Sept, Dix-Huit e Vignt Rosado se tornaram políticos importantes de Mossoró. O primeiro mencionado foi prefeito e chegou a ser Governador do Estado, mas morreu em um acidente aéreo seis meses após a posse.

O Dix-Sept tem uma cidade em sua homenagem, na região Oeste do RN. Além disso, é nome de um bairro de Natal.