Potiguares, escutem o novo álbum da Lady Gaga

Compartilhe:

Primeiramente, eu estou tentando dormir na madrugada desta sexta-feira (29), ando chateada com as coisas do Brasil e a intensificação da Covid-19 nas terras tupiniquins. Tentei ver um filme e não consegui. Todos sabemos que 2020 foi um ano que não aconteceu. Ou será que existe uma contra-prova? Existe, o lançamento do novo álbum da Lady Gaga, mostrando o seu poder milagroso de arrancar um sorriso mesmo que estejamos na bad.

São 40 minutos de alegria, potiguares. A medida que avançamos as faixas, menos queremos que o álbum acabe.

A musa é uma querida pelas clubbers potiguares e esse texto são para vocês.

Ela disponibilizou seu mais novo álbum, o Chromatica, vendido com uma proposta da cantora voltar ao que sabe de melhor: fazer uma música pop.

Além disso, conseguiu reunir os mais diversos artistas de diferentes gerações, como Elton John e Ariana Grande. Após lançado três singles, ela finalmente mostrou o álbum completo.

Não tem alguma que você pula nos primeiros 30 segundos.

E neste texto vou provar que minha Gaga está viva sim!

Meu amor por Gaga

A primeira vez que escutei Lady Gaga eu achei que seria mais uma cantora pop americana. Minha irmã ganhou “The Fame” e sabia as músicas decoradas por osmose.

O que me chamava atenção que por trás daquela música pop, divulgada nas rádios e MTV, tinha todavia uma rockstar, com atitude, voz impactante e quebradora de estereótipos.

Assim que entrei na faculdade, a Lady Gaga bombava nas conversas dos mais cults do setor 2, que todos queriam ter aquela força, carisma e tudo que o Rupaul propõe de Drag Quern perfeita.

Mas, ela se provou quem era a Lady Gaga, com Born This Way e apaixonei pelo álbum com força.

Para a tristeza do lado gospel da família, eu sempre digo que aqui em casa serve a Lady Gaga, pelo fato que tanto eu e minha irmã se identificamos com a cantora e com a sua história.

Gaga foi criticada, julgada, já viveu a glória, fracassou e sempre manteve a sua originalidade acima de tudo, mostrou que ela era assim e não precisava seguir todos os padrões oferecidos por Hollywood.

Sem que contar as músicas traz uma mensagem para as minorias que não são levadas à sério.

Álbuns injustiçados

Após lançar o “Artpop”, que na época não conseguiu descolar e foi lançado bem no período que teve uma treta com Madonna, no qual a rainha do pop a acusava a Mama Monster de plágio.

O foco do álbum, por conseguinte, foi totalmente deturpado e as pessoas ignoraram as referências de obras de arte com música, no qual a Gaga havia proposto.

Alguns diziam que era a maldição do quarto álbum. Digo que a justiça está sendo feita e as pessoas estão valorizando somente agora o que Gaga tinha proposto em 2014.

Depois veio Joanne, que particularmente gosto muito, pelo seu estilo mais hippie e indie, mas os Little Monster queriam aquela Gaga da Farofa Pop.

Sem contar que ela estava com crises severas de fibromialgia, tanto que cancelou o show dela no Rock In Rio, surgindo o famoso: “Brazil I’m Devastated”.

Por que escutar o novo disco da Lady Gaga?

Eu poderia perder meu tempo falando que é um disco que mostra a cantora voltando a sua originalidade, porém ela mostrou referências novas, misturando sintetizadores com lírico e o disco tem presença mais de bateria do que as produções anteriores, que tem uma forte presença do piano e das guitarras.

Claro que você vai escutar uma pitada de Eurodance, relembrar Frankie Goes to Hollywood com seu Relax.

O disco é dividido em três atos: Chromatica I, Chromatica II e Chromatica III, no qual mostra um universo dançante e fora do Planeta Terra.

Portanto, não é apenas para dançar, tem uma história por trás.

Lady Gaga acertou em colocar o álbum para escutar em um período que todos estão apreensivos com o futuro que está sendo aguardado para os seres humanos nos próximos 10 anos.

É animado, dançante e fácil de arrancar um sorriso no meu rosto.

O disco está tão bom que se criar um remix em cima dessas músicas pode até estragar.

Estou louca para dançar no Beco da Lama junto com as clubbers.

Por mim, o álbum inteiro poderia ter clipe, que nem a Beyoncé fez.

E termino o texto dizendo: Amém, Lady Gaga.

E, aí, meus potiguares, eu convenci?

Músicas que mais gostei

Stupid Love

Enigma

Rain on Me

Alice

911

Sine From Above

Babylon