Adalberto Quirino quer ser vereador e defender os PCD

Compartilhe:

Conheci o Adalberto Quirino pela primeira vez quando ainda tava na faculdade e tive que fazer uma matéria sobre um problema urbano. O tema que escolhi foi acessibilidade.

Na reportagem, Adalberto, que mora em Felipe Camarão, precisa sair três horas antes do horário combinado, uma vez que demorava conseguir um ônibus com a porta especial em funcionamento.

Adalberto tem Amiotrofia Muscular Espinhal do Tipo 2 (AME), mas isso não foi um empecilho para fazer as suas atividades, mesmo os médicos dizendo tinha pouco tempo de vida.

“Acabei ingressando na Escola de Orientação aos Deficientes Físicos do RN (ADOTE) onde recebeu os primeiros níveis de alfabetização e de assistência social. Neste interim iniciei o tratamento fora do domicílio para a sua deficiência e passou a ser assistido no Hospital SARAH em Brasília-DF. A descoberta da doença me fez do suposto pouco tempo uma oportunidade de Viver construindo o novo a cada dia para uma amanhã melhor”, disse o Quirino, que resolveu colocar a inclusão como lema.

Depois, começou a estudar na Fundação Bradesco, se tornando o primeiro cadeirante da escola de Felipe Camarão. Mas, ele queria mais e superar mais. Por isso, resolveu entrar na faculdades

Então, ele ingressa em Gestão em Finanças, mas sempre colocando as suas bandeiras em seus estudos.

“Eu fiz do ambiente universitário um campo de estudo para contextualizar com a realidade do grupo de Pessoas com Deficiências (PCD’s) e de Pessoas com Necessidades Especiais (PNE’s) que ele conhecera ao longo de sua vida, pois a cada nível educacional conquistado diminuía o número de pessoas deste grupo que ele encontrava nos pontos de ônibus, coletivos e corredores institucionais”, relembrou o jovem.

Após a formatura, ele quer ser vereador

AConseguiu se formar em gestor financeiro, porém seu destino novamente tem uma reviravolta. Antes de entrar na faculdade, ele praticava natação paralímpica. Entretanto, um novo esporte surgia na sua vida.

“Com a Bocha Adaptada, eu fui trocando experiências com muitos que foram vistos como incapazes”, comemorou.

Atualmente, Adalberto Quirino é integrante da Associação de Distrofia Muscular do RN (ASDM-RN) onde possui um sentimento enorme de carinho aos seus idealizadores; já escreveu um livro e realiza palestras.