Um cemitério de buggy espalhado na zona Sul de Natal

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


Um cemitério de buggy. Andando pelas ruas de Natal encontrei dois buggys parados em uma das ruas da zona Sul de Natal, sendo que um deles estava quase completo, faltando apenas alguns estofados e o outro somente com a carroceria, sem os pneus. Pesquisando no Google Maps, os veículos estão nesta posição desde 2018. O motivo? Nós não sabemos, mas se alguém souber por favor nos avise.

Em 2014, segundo os registros do serviço de mapeamento do Google, também havia a carroceria de um fusca abandonado naquela calçada.

Uns chamam de buggy, outros de bugue e até mesmo bugre, mas ele é um queridinho dos natalenses. Os turistas adoram fazer um passeio e descer nas dunas das praias do Litoral Norte potiguar e tem uma das empresas famosas a Selvagem,

Tudo começou com Marcos José Oliveira das Neves em 1973. Um belo dia, um amigo perguntou se ele seria capaz de fazer um carro que pudesse andar nos “morros de areia”. Apesar de belas, as dunas não são muito convidativas para passeios a pé. Marcos montou, então, um carro de alumínio e chapa de ferro para o amigo. O carro começou a chamar atenção por onde passava.

Falamos mais disso nesta matéria aqui.

Isso lembrou um fato que aconteceu recentemente com o Brechando. Durante o verão natalense, andando nas ruas do Litoral Sul, mais precisamente na praia de Búzios, nós encontramos uma coisa peculiar: um cemitério de geladeiras.

Sim, refrigeradores de todas as marcas possíveis e impossíveis de imaginar, antigas e novas, estavam expostas em uma calçada sem algum motivo aparente. O local fica na RN-063, estrada que liga as praias de Tabatinga e Camurupim, em Nísia Floresta, na Região Metropolitana de Natal.

Estávamos em um restaurante que fica em frente ao cemitério, eles disseram que sempre foi assim e suspeita que lá concerta geladeiras. Mas, ao ficar observando a calçada das geladeiras a gente viu que a casa que fica em frente funciona uma barbearia.

Para relembrar a matéria é só clicar neste link. E, aí, já viu o cemitério de buggy?