Oriano de Almeida: pianista radicado em Natal e conhecedor de Chopin

Compartilhe:

Esse rapaz da foto acima se chama Oriano de Almeida, pianista famoso na capital potiguar e um amplo conhecedor de Frederic Chopin, músico polonês radicado na França. Ele nasceu no dia 15 de julho de 1921, sendo filho de Raymundo Correa de Almeida e Oneglia Correa de Almeida. Quando tinha 8 anos, a família mudou-se para Natal, a terra de seu pai. Foi lá que começou a sua carreira musical, quando aprendeu piano com o tio Waldemar de Almeida, no ano de 1936.  Aos 12 anos recebeu o diploma do curso de piano do Instituto de Música do Rio Grande do Norte e

No Rio de Janeiro, presenciou aulas da notável pianista Magdalena Tagliaferro. Oriano desenvolveu de tal maneira o seu talento para a música que acabou se tornando um dos principais intérpretes de Fredéric Chopin, apresentando-se em sucessivas temporadas internacionais. Confira uma de suas perfomances a seguir:

Autor do movimento de renovação de extrema importância conhecido como “Grupo Música Viva”, o musicólogo empreendeu, na Rádio MEC, um trabalho de divulgação de música clássica e, em paralelo aos prêmios por ele recebidos, obteve reconhecimento popular, tornando-se o primeiro pianista brasileiro a adquirir o status de estrela da televisão ao responder no programa “O Céu é o Limite”, da extinta TV Tupi, durante semanas seguidas, sobre a vida e a obra do citado Fredéric Chopin, mostrando que realmente sabia do artista.

Em Natal, realizou inúmeras apresentações entre 1938 e 1987. Adotou a prática dos recitais-aula, onde explicava o que tocava e falava sobre os autores e estilos musicais. Instalou o “Curso Oriano de Almeida”, formando inúmeros pianistas natalenses. Foi contratado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte em 1981 e passou a residir em Natal, onde faleceu em 2004. Por seu reconhecido mérito, conquistou o privilégio de substituir Luís da Câmara Cascudo na cadeira da Academia Norte-riograndense de Letras. Na UFRN, será agraciado com o título de Doutor Honoris Causa.

Ao longo dos anos, tornou-se uma figura importante no desenvolvimento da música e das atividades artísticas e culturais do Estado, tendo recebido várias medalhas e diplomas por participar e ajudar muitas realizações das instituições teatrais e culturais do RN. Intérprete de Chopin, participou de vários concursos musicais, nacionais e internacionais. Considerado um dos maiores pianistas do Brasil, fez diversas apresentações na Europa e nos Estados Unidos. Foi eleito sócio efetivo do Instituto Histórico Geográfico do RN, em 1984.  Membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras, ocupou a cadeira número 13, cujo primeiro ocupante foi Luís da Câmara Cascudo.

Publicou diversas obras, entre elas: “Um pianista fala de música” (1976); “A música através dos tempos – do séc. XVII ao XX ” (1991); “Magdalena dona Magdalena: minhas lembranças de Magda Tagliferro” (1993), “Paris… nos tempos de Debussy” (1997) e “Prelúdios Potiguares” (2001). Faleceu, em Natal, em 11 de maio de 2004.

Na Rua Conceição, no bairro de Cidade Alta, existia um museu mostrando um pouco da sua história, desde o diploma do Instituto de Música até fotos de suas apresentações. Hoje, o Memorial Oriano de Almeida se encontra fechado.