A morte do Hotel Reis Magos

Compartilhe:

Começou o processo de demolição do Hotel Reis Magos nesta quarta-feira (8). O Governo do Estado desistiu do processo de tombamento, que foi expedido pelo Tribunal de Justiça do RN, dando carta branca para a Prefeitura do Natal emitir a autorização da demolição.

A estrutura tem 54 anos e foi inaugurada na gestão de Aluízio Alves para impulsionar o turismo potiguar. O prédio, localizado na praia do Meio, está sendo decidido judicialmente para saber se será demolido ou não. Desde 1995 está inativo, quando o hotel foi vendido para o Hotéis Pernamuco, onde inicialmente prometia uma reforma para dar continuidade nas atividades no que seria o primeiro hotel de luxo em Natal e um marco no setor de turismo não só em Natal, mas em todo o Rio Grande do Norte.

Hoje, o que foi um dos cartões-postais da cidade, ele está completamente abandonado, entregue ao lixo, a deterioração e de vez em quando pessoas invadem o local para roubar alguns móveis que restaram.

O Prefeito Álvaro Dias, que é a favor dos prédios na orla da cidade, acompanhou de perto o processo de demolição. Veja a foto de Ridalvo Felipe, do jornal “O Público”.

Hotel Reis Magos
Prefeito feliz com a derrubada do hotel (Foto: Ridalvo Felipe)

As fotos feitas minutos antes da demolição foram feitas pela arquiteta Bárbara Rodrigues.

O Hotel Reis Magos dando seu último suspiro (Foto: Bárbara Rodrigues)

Recentemente, o Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (IBAPE-RN) realizou uma vistoria das ruínas do Reis Magos e constatou que é possível a recuperação do prédio, porém seu custo seria 10 vezes o valor da demolição.

As partes mais graves são a fachada e o prédio em anexo à construção original. Aqui o registro do que foi constatado pela equipe. Confira:

O grupo [R]existir, formado por arquitetos, luta há anos contra a demolição do hotel, comentou sobre o laudo e uma possível esperança de não o derrubar. Confira a nota completa a seguir:

O IAPHACC, o Coletivo [R]Existe Reis Magos e demais entidades preocupadas com o patrimônio e a cultura de nossa cidade tem acompanhado a discussão sobre a preservação x demolição do Hotel Internacional Reis Magos, sempre se posicionando de maneira firme pelo debate qualificado, pela produção de conteúdo e de estudos, pelo estímulo à reflexão sobre o tema e sobre a necessidade de assumirmos de vez, como sociedade, que nossos bens materiais e naturais são nosso ativo (econômico, cultural e social) mais importante. É impossível construirmos uma proposta de desenvolvimento sustentável jogando fora nosso patrimônio.

Neste sentido, sempre discordamos do discurso de um determinado “senso comum” que afirmava que o edifício do HIRM não passa de uma ruína. Esse discurso é um equívoco técnico e conceitual que só tem interessado a quem quer embaralhar a discussão, a quem está interessado em tumultuar qualquer tentativa de solução.

É bem verdade que o Hotel se encontra abandonado pelo grupo proprietário há mais de vinte anos, sem manutenção, sem quaisquer cuidados mínimos, o que acarretou o comprometimento do seu estado de conservação. Contudo, como já atestavam estudos preliminares, isso não comprometeu a vida útil ou a integridade estrutural do edifício. 

Agora, de maneira definitiva, o Instituto IAPHACC recebeu laudo pericial do respeitado, idôneo e independente Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (IBAPE-RN) que comprova que não há risco de desabamento da estrutura do prédio do Hotel Reis Magos. Mais ainda, o laudo atesta que a estrutura é, sim, plenamente recuperável, como sempre defendemos.

O link do laudo pode ser conferido a seguir.