Algumas tirinhas de Aureliano Medeiros

Compartilhe:

O ilustrador e escritor Aureliano Medeiros lança “O menino que desaprendeu a chorar”, na próxima quinta-feira (7), a partir das 17h no café Sr. Petita, por trás do Bardallos. O livro, escrito e ilustrado pelo artista, é uma viagem visual por sentimentos que, desde cedo, meninos aprendem que devem ficar guardados. Por entre palavras e traços simples, o autor nos questiona: Para onde vão as lágrimas que não nos permitimos chorar?

Passando por temas delicados mas tão presentes no universo masculino, o ilustrador potiguar destranca a porta do desconhecido e põe na sala a discussão sobre masculinidade tóxica e qual seria a semente desse homem que parece não (querer) sentir. O livro é indicado para crianças de todas as idades e o marejar de olhos vem de brinde com todos os exemplares.

A publicação foi lançada inicialmente no Festival Mário de Andrade, a Virada do Livro (SP). O autor foi convidado a compor a programação do festival paulista, dividindo espaço com nomes como Fernanda Montenegro e Mia Couto. Sendo um dos poucos representantes nordestinos no evento, Aureliano leva um pouco de Natal para onde vai.

Para quem não sabe, Aureliano é conhecido na internet por sua página @oiaure, que conta com mais de 200 mil seguidores no Facebook e 50 mil no Instagram. Em sua página, o ilustrador trata de questões sobre cotidiano, mídias sociais, saúde mental, corpo e sobre se sentir desencaixado em toda e qualquer situação.  O Brechando selecinou algumas tirinhas de Aure na internet.  Confira algumas obras de Aureliano: no final deste texto.

O “menino que desaprendeu a chorar” é o terceiro livro de Aureliano, tendo iniciado sua carreira literária em 2015 com o romance (também ilustrado) Madame Xanadu: A história de uma drag queen deprimida e profundamente natalense, por entre as ruas do centro histórico da capital potiguar. Seu segundo livro, que reuniu os quadrinhos que tecia virtualmente, chama-se Mercúrio Cromo e foi devidamente costurado em 2017 pela Editora Lote 42 (SP). Entusiasta dos fanzines e experimentações gráficas, Aureliano publicou trabalhos diversos em formatos esquisitos, sempre incluindo suas tão queridas ilustrações

Após o lançamento na terra Natal, o autor se prepara para uma grande maratona de eventos para divulgar o livro, passando por Recife, Rio de Janeiro, Ilha de Paquetá e São Paulo de novo. Boa sorte pra ele que tem muita saúde, pelo visto.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

ainda sou eu.

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

não pode é morango ganhar o bbb

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

tudo que é sólido desmancha no ar

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

au au aure

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

segundinha no fundo do poço (homenagem ao mestre @odyr.bernardi)

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

socorro não estou sentindo nada

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

que nesse momento tão delicado, a gente possa se fazer lar

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em

 

Ver essa foto no Instagram

 

seis de paus

Uma publicação compartilhada por aureliano (@oiaure) em