Brechando a Quinta do Samba no Beco da Lama

Compartilhe:

Embora não seja tecnicamente no Beco da Lama, a quinta-feira é marcada por aquelas redondezas por um samba raíz, onde os sambistas em sua tradicional roda ficam cantando os clássicos, desde os sambas que foram destaque no carnaval até os mais modernos. O melhor é a variedade do público, que vai desde aquele fã do Iron Maiden, daquele que veste a camiseta da banda, até o tradicional sambista, com todo aquele figurino estereotipado. O som agrada desde o jovem que saiu da adolescência até aquele idoso boêmio. Isso mostra que o samba não tem idade, mas também ele pertence a todos nós. Eu segui a sugestão de pauta dos brecheiros e fui sambar para saber se é bom mesmo.

Assistimos aquela roda bem expremidinho, querendo ver os integrantes cantando e tocando seus tamboretes em alto e bom tom, a multidão não incomodava, pelo contrário, acolhia os frequentadores. O espaço é democrático e não precisa daquele empurra-empurra para ver o melhor ângulo daquele espetáculo. É contagiante a alegria que é passada por aquele lugar, dúvido que você não passe a sambar um pouquinho, nem que seja com os dedos esticados e balançando para cima e para baixo, a música faz com que a gente mexa cada músculo do nosso corpo, não importa o seu conhecimento de samba, você vai sambar com a mais absoluta certeza.

O samba feito pela banda Batuque de um Povo existe há dois anos, mas as rodas de samba que acontecem em frente ao Bar de Nazaré já existe desde 2008, quando o grupo Arquivo Vivo começou a fazer o seu próprio som. Hoje, a quinta está marcada para o principal acontecimento de samba na cidade.  Embora todos digam que fica no Beco da Lama, o sambinha fica na rua Coronel Cascudo, uma perpendicular da Vaz Gondim (também conhecida como o Beco da Lama) e a Rua da Conceição, conhecida também por ser a primeira via criada em Natal, conforme já falamos por aqui no Brechando.

Ali é um bom lugar para desabafar sobre os seus problemas, externar as suas raivas e também ouvir músicas de resistência, que apesar de serem antigas, apresentam temas bastante atuais e sendo discutidos hoje em sociedade. A festa não vai atrapalhar o seu trabalho no dia seguinte, uma vez que a mesma termina pontualmente às 22 horas, se você não for de muitos excessos.

Não importa que você seja turista ou morador da cidade do Natal, mas todos que já pisaram pela capital do Rio Grande do Norte precisa conhecer uma vez na vida o tradicional samba, que é feito por amantes deste swing que é característico do povo brasileiro.

A seguir, temos um vídeo do Brechando Vlog mostrando curiosidades da Quinta do Samba e mostra um pouco de como funciona: