UFRN expõe obras de arte do seu acervo

Compartilhe:

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realiza uma exposição dentro do Núcleo de Arte e Cultura (NAC) com obras de arte do acervo da instituição de ensino. Ao todo, a universidade tem 549 obras catalogadas, dodadas por diversos artistas e disponíveis em vários setores da UFRN. São obras de diversos artistas, como Dorian Gray, Flávio Freitas, Flávio Tavares, Newton Navarro e dentre outros. O Museu foi instalado este ano, após a inauguração da nova sede do NAC, e funciona em uma sala ao lado da Galeria Conviv’Art. O setor está aberto para visitação, das 9h às 17h e podem ser agendadas visitas para grupos.

O acervo físico possui pinturas, escultura, acrílica, gravuras, tapeçaria, fotografia, colagem, bordado e Assemblage (montagem). De acordo com a Agência de Comunicação (Agecom), essas obras de arte chegam à UFRN geralmente por meio de doações.e recuperadas na sala de reserva técnica.

Diferente da galeria, onde são realizadas exposições variadas, mês a mês, o espaço do Museu é direcionado para expor obras do acervo de artes permanente da UFRN. A proposta é em média a cada três meses, expor outras obras do acervo institucional.   O espaço está aberto para visitação das 9h às 17h

Além das obras físicas, o Museu tem uma versão virtual que foi pensada inicialmente pelo artista e servidor aposenado do NAC, Jota Medeiros, como projeto de extensão e denominado Museu Virtual Abraham Palatnik, em homenagem ao artista norte-riograndense Abraham Palatnik e Doutor Honoris Causa da UFRN, que se projetou internacionalmente, a partir da 1ª Bienal de São Paulo (1951), com seu trabalho artístico associado à ciência e à tecnologia.

Ao longo dos últimos anos o referido Projeto de extensão vem dando visibilidade a obras do Acervo de Artes Visuais da UFRN e a coleção de Arte Correio doada pelo próprio artista Jota Medeiros. O site onde consta esse material, que inclui entre outros, selos, postais e cartas, está em processo de reestruturação, inclusive devido à instalação física do Museu de Artes do NAC e, portanto da necessidade de melhor expor virtualmente todas as obras constantes nos referidos Acervos, mas continua ativo.