Alguém pintou de branco o mural da fábrica da Sam’s

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


O enorme mural que ficava na fachada da antiga fábrica da Sam’s não existe mais. O Brechando andou na madrugada deste domingo (8) pela avenida Senador Salgado Filho e constatou que a antiga indústria foi pintada totalmente de branco e que o painel cheio de frutas e folhas que coloria o prédio por mais de 40 anos também se transformou em uma parede monocromática. A foto acima do título mostra o antes e depois, mas também fizemos um pequeno vídeo mostrando o estrago.  Veja a seguir:

O mural foi pintado por Aécio Emerenciano, que tem trabalhos expostos em Salvador (BA), Campo Grande (MS) e em Niterói (RJ). Além da fábrica, ele também tinha uma obra no painel do antigo Aeroporto Augusto Severo, o trabalho demorou oito meses para ficar pronto. Também tem artes no Parque das Dunas, Governadoria e Assembleia Legislativa.

Em 2012, o painel da fábrica foi recuperado por alunos da Escola Estadual Stella Wanderley, localizado no bairro de Neópolis. O resultado fez parte da programação do evento de Casa Cor no Rio Grande do Norte.

A fábrica da Sam’s foi inaugurada em 1968, quando a indústria duplicou a sua produção e mudou do bairro da Ribeira para um local maior. Alguns moradores mais antigos diziam que o cheiro de doces e de outras guloseimas era bastante forte. Fazendo com que muitos natalenses ficassem salivando pelos pirulitos, balas e chicletes que eram produzidos.

Naquela região era bastante comum ter indústrias, pois ficava numa área bastante isolada da cidade.

Fábrica na década de 60
Fábrica na década de 60

 

A área tem mais de 14 mil metros quadrados e a transferência da fábrica fez com que a companhia virasse uma sociedade anônima.  A história da Simas Industrial de Alimentos começou em 1946. Quando os irmãos Orlando Gadelha Simas e José Gadelha Simas compraram a fábrica de balas São João, em Natal, fizeram algumas adaptações e iniciaram a produção artesanal de balas e caramelos.  Orlando faleceu aos 91 anos de idade, no dia 7 de outubro de 2007.  Na década de 1950 a indústria passou a ser mecanizada, o que permitiu a produção em larga escala e o crescimento da empresa.

Com a expansão de Natal e o local nas redondezas se transformasse em área residencial, levantando diversos questionamentos sobre a poluição, a fábrica teve que ser transferida para o Distrito de Macaíba em 2002, onde funciona até hoje. O espaço é o dobro da unidade fabril na capital potiguar.

Mesmo com a fábrica fechada, a loja que vendia os produtos funcionou durante muito tempo até ser fechada completamente em meados dos anos 2000.