Entrevistamos o Arthur Benozzati. Não é, Clayson ?

Compartilhe:

Arthur nasceu em Sousa, interior da Paraíba, e após se formar em Medicina foi morar no interior do Rio Grande do Norte como médico. Porém, nos últimos três anos a sua vida mudou por conta de suas exibições na rede social. Vaidoso, postou uma foto no espelho com a sua roupa de socorrista do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu).

“Foi aquele alvoroço e comecei a receber inúmeras mensagens nas redes sociais. Até o momento que fui fazer uma entrevista para um canal. Não sei, aquele dia foi diferente, eu estava mais gordinho, a roupa que escolhi não estava boa e foi um desastre”, comentou o Arthur em entrevista ao Brechando.

Segundo o médico, as pessoas começaram a zoar com a sua personalidade e inclusive chegaram a fazer comentários homofóbicos. “Eu nunca escondi a minha sexualidade ou escondi alguma característica. Então, eu resolvi enfrentar isso de frente”, comentou.

Foi aí que surgiu o meme do Masculynah, que inicialmente era tiração de sarro dos trolls com o então “Médico Gato do Samu”, por não performar uma masculinidade determinada pela sociedade e o excesso de vaidade. Agora, ele não se importa com o apelido. “Eu sempre fui assim, gosto me cuidar e nunca quis ser artificial ou esconder de ninguém”, disse o Arthur, no qual também afirma nunca ter feito cirurgia e que só usa base com filtro solar, faz a barba em casa e rímel para os cílios.

“Muitos perguntam se eu não processaria as pessoas que me chamam assim e eu sempre digo que não, pois assim me deixou mais visível”, completa agora o Arthur Benozzati, conhecido na internet e apenas no Instagram tem 207 mil seguidores. É a sua rede social favorita. Ainda tem contas no Twitter e Facebook.

“Amostrado” assumido, ele agora divide o tempo como médico dermatologista em sete cidades diferentes do Nordeste com agora a sua carreira como digital influencer. “Agora todos os dias são de entrevistas, consultas e viagens por conta das redes sociais. Raramente paro quieto”, afirmou o médico que uma das casas fica em Natal; um apartamento onde grava os seus vídeos com direito a iluminação de estúdios.

As suas fotos e vídeos nas suas aventuras nas redes sociais rende diversos memes e bordões, principalmente nos grupos famosos de Facebook, como LDRV, PCTB e Ponte para Chernobyl. “Sempre acompanho todos os grupos e vejo todos os memes. Eu sei que tem gente que gosta muito de mim, mas eu sei que tenho os meus haters. Tento responder todas as pessoas que mandam mensagem para mim, um por um, mas reconheço que está cada vez mais difícil.”.

Fotos: Carolina Paiva

Mas, por que a escolha por Natal ? A resposta tem um nome: Clayson. Seu namorado há dois e dois meses e seu companheiro nesta aventura internética. O mais interessante é que o relacionamento dos dois começou na internet, mais precisamente no Instagram. “Eu fui perguntar quem era o cirurgião dele na DM (caixa de mensagens) e o Arthur falou que nunca tinha feito uma plástica. Então, comecei a puxar conversa”, disse o arquiteto que é natural de Caicó e mora em Natal.

Depois do encontro no Jegue Folia, eles nunca mais se largaram. Rapidamente o Clayson ficou famoso, pois o namorado sempre aparecia nos stories e tinha que responder a seguinte pergunta: “Não é, Clayson?”.  O bordão rapidamente entrou na boca da galera e é parado junto com Arthur para fotos.

“O carinho das pessoas é muito grande e a gente viajou de Campina Grande para o São João percebemos isso. Quando ia comprar bebida ou alguma comida sempre tinha uma pessoa que nos parava”, explicou o casal. Mas, o Clayson não se importa de ficar famoso.

“Eu sabia que um dia a fama do Arthur ia me atingir”, brincou, que ajuda o namorado para desenrolar a vida maluca de viver em várias cidades ao mesmo tempo, cuidar do consultório de Arthur e ser digital influencer.

“O nosso sonho é conseguir nos manter para criar a nossa própria clínica de dermatologia, atender os clientes em um lugar só para e colocar em Natal. Nós amamos essa cidade, ela é muito bonita, amamos o clima daqui, aonde moramos e identificamos bastante”, finalizou a entrevista.

Claro que no final tiramos algumas fotos para eternizar: