Peça potiguar “A Invenção do Nordeste” recebe duas indicações no maior prêmio de teatro do Brasil

Compartilhe:

O Carmin, de Natal, recebeu duas indicações com a peça “A Invenção do Nordeste” ao Prêmio Shell, maior premiação do teatro brasileiro. Eles estão concorrendo com melhor direção e autoria.

Com direção da atriz Quitéria Kelly, narra a história de um grupo que procura um diretor de teatro para que procure atores que retrate um verdadeiro nordestino, no qual narra o porquê do Nordeste passou por muito perrengues e preconceito na história do Brasil.

O roteiro de  Pablo Capistrano e Henrique Fontes foi baseado no livro “A Invenção do Nordeste e outras artes”, de Durval Muniz.

Eles foram a segunda peça que mais receberam indicações, perdendo apenas para Os espetáculos “Um Tartufo” e “Esperança na Revolta”.

Confira todos os indicados a seguir:

AUTORIA

1º semestre
Mariana Lima por “Cérebro Coração”
Cecilia Ripoll por “Rose”

2º semestre
Confraria do Impossível por “Esperança na Revolta”
Henrique Fontes e Pablo Capistrano por “A Invenção do Nordeste”
Leonardo Netto por “A Ordem Natural das Coisas”

DIREÇÃO

1º semestre
Rodrigo Portella por “Insetos”
Cristina Fagundes por “A Vida ao Lado”

2º semestre
André Lemos por “Esperança na Revolta”
Quitéria Kelly por “A Invenção do Nordeste”

ATOR

1º semestre
Ricardo Blat por “No Meio do Nada”
Leandro Santanna por “Lima entre Nós”

2º semestre
Bruce Gomlevsky por “Memórias do Esquecimento”
Otto Jr. por “Tebas Land”

ATRIZ

1º semestre
Amanda Acosta por “Bibi – Uma Vida em Musical”
Mariana Lima por “Cérebro Coração”
Gisele Fróes por “O Imortal”

2º semestre
Ana Kfouri por “Uma frase para minha mãe”
Nena Inoue por “Para não morrer”

CENÁRIO

1º semestre
Beli Araújo e César Augusto por “Insetos”
Dina Salem Levy por “Cérebro Coração”

2º semestre
Doris Rolemberg por “A Última Aventura É a Morte”
Marcelo Alvarenga por “Outros”

FIGURINO

1º semestre
Ney Madeira e Dani Vidal por “Bibi – Uma Vida em Musical”
Eduardo Giacomini por “Nuon”

2º semestre
João Pimenta por “Dogville”
Maria Duarte e Márcio Pitanga por “Um Tartufo”

ILUMINAÇÃO

1º semestre
Beto Bruel e Rodrigo Ziolkowski por “Nuon”
Beto Bruel por “Cérebro Coração”

2º semestre
Aurelio di Simone por “Pandora”
Elisa Tandeta por “Um Tartufo”

MÚSICA

1º semestre
Tato Taborda por “Utopia D”
Felipe Storino por “Vim Assim que Soube”

2º semestre
Béa e André Lemos por “Esperança na Revolta”
Pedro Luís por “Elza”

INOVAÇÃO

1º semestre
Espetáculo Sblood pela experiência imersiva e interdisciplinar que, através de uma instalação, permite que o espectador entre em um jogo dramatúrgico e sensorial.
Coletivo 2ª Black por criar um espaço de encontro, pesquisa, troca de saberes e apresentações de experiências cênicas de artistas negros.

2º semestre
Mona Magalhães pela caracterização determinante para a construção da poética do espetáculo “Um tartufo”
Ocupação Ovárias por fomentar o protagonismo estético-político das mulheres na cena carioca