Cidade do RN será usada como simulação para colonização do Planeta Marte

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


Essa cidade da foto acima é Caiçara do Rio dos Ventos e fica 100 quilômetros de distância de Natal. O município de 3.304 habitantes, segundo o censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), está inserido na região do semiárido. Além disso, a cidade tem como ponto turístico a Serra da Gameleira com seu clima serrano propício para quem gosta de curtir um clima mais frio, lá podemos encontrar indícios do povoamento pré-colombiano em artes rupestres na gruta conhecida como “Pedra do Letreiro”. Também na comunidade rural do Rio Novo, encontramos mais inscrições pré-colombianas incrustadas em lajedos, como no lajedo “Boqueirão”, as quais precisam ser catalogadas pelos órgãos competentes para evitar sua depredação.

Além disso, a cidade está sendo utilizada para o projeto Habitat Marte, no qual uma vez por mês, estudantes e professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) vão até a localidade recolher dados. A partir da próxima sexta-feira (19), eles terão  48 horas para apresentar propostas de pesquisas individuais ou em conjunto. A primeira missão no Habitat Marte aconteceu de 8 a 10 de dezembro de 2017, quando três estudantes e o professor da UFRN, Júlio Rezende, realizaram atividades como a coleta de amostras de solo e minérios, observação astronômica, avaliação e melhoria dos sistemas de apoio à vida na estação.

Por sinal, Rezende foi o primeiro brasileiro a comandar uma estação de pesquisa sobre Marte, no deserto de Utah (Estados Unidos).

O objetivo destas pesquisas é desenvolver mecanismos de sobrevivência, caso a Terra fique com um habitat semelhante ao Planeta Vermelho ou quando colonizar o mesmo. Este trabalho é investido em muitos países, com um intuito de desenvolvimento de expertises quanto a habitats adaptáveis a regiões de forte vulnerabilidade climática e ambiental.

Marte é o quarto planeta a partir do Sol, o segundo menor do Sistema Solar. Batizado em homenagem ao deus romano da guerra, muitas vezes é descrito como o “Planeta Vermelho”, porque o óxido de ferro predominante em sua superfície lhe dá uma aparência avermelhada. É um planeta rochoso com uma atmosfera fina, com características de superfície que lembram tanto as crateras de impacto da Lua quanto vulcões, vales, desertos e as calotas polares da Terra. O período de rotação e os ciclos sazonais de Marte são também semelhantes aos da Terra, assim como é a inclinação que produz as suas estações do ano.

Além disso, muitos acreditam que Marte já foi um planeta similar à terra, sofrendo modificações climáticas do mesmo jeito que estamos passando, através do aquecimento global. A partir destas pesquisas serão desenvolvidos mecanismos para que os seres humanos consigam sobreviver em lugares como o planeta vermelho.

Montado no município de Caiçara do Rio do Vento, a 100 quilômetros de Natal, o Habitat Marte ocupa uma estrutura de 56 m² dentro do Núcleo de Pesquisa em Engenharia, Ciência e Sustentabilidade do Semiárido (Nupecs). Esta é a primeira estação de pesquisa do hemisfério sul com simulação de uma experiência no planeta vermelho, que tem como principais objetivos estimular, apoiar e promover a educação espacial, a pesquisa sobre sustentabilidade em Marte e no semiárido, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias, assim como a transformação de ideias em produtos no campo das engenharias.