Gente, esta não é a capa oficial da Charlie Hebdo

Aperte nestes botões para aumentar a fonte:

(Diminuir/Resetar/Aumentar)


Muita gente está compartilhando esta imagem acima no Facebook como a verdadeira capa da revista Charlie Hebdo, dizendo que a revista francesa criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de manter o presidente do senado Renan Calheiros no poder. Porém, ela é falsa. Pior, muita gente compartilhou e falando coisas como: “O Brasil é uma piada no exterior”. Vou colocar aqui a imagem por inteiro:

15391184_1161294207286840_249191391114149133_n

Esta é a capa da semana da Charlie Hebdo:

O que mais doeu foi jornalistas e pessoas acadêmicas compartilhando esta capa. Esta não é a primeira vez que fazem uma montagem com os acontecimentos brasileiros com a Charlie Hebdo. Está na hora da revista francesa abrir uma sucursal nas terras tupiniquins.

Esta mesma charge foi utilizada, sendo que ao invés do rosto de Renan Calheiros foi do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Veja a imagem a seguir:

É" La Suprême" é o certo. Em francês, supremo é uma palavra feminina
A frase correta seria Le Suprême Brésilienne est une merde. O Ce é um pronome indefinido

A capa original é uma crítica ao governo de François Hollande, no qual as eleições estão previstas para o ano que vem, mais precisamente no mês de abril. Sem contar que a revista é uma revista que crítica tudo e não passa a mão na cabeça de ninguém.

O Charlie é ricamente ilustrado, ele publica crônicas e relatórios sobre a política, a economia e a sociedade francesas, mas também ocasionalmente jornalismo investigativo com a publicação de reportagens sobre o estrangeiro ou em áreas como as seitas, a extrema-direita, o catolicismo, o islamismo, o judaísmo, a cultura, entre outros temas. Lembra bastante a brasileira Piauí, embora muita gente só lembre da Charlie Hebdo como aquela que sofreu atentado por causa de uma charge com o islamismo.

Eles não têm medo e pode ser o patrocinador deles, eles tiram onda. Fica a dica para imprensa brasileira!

A gente sabe que a política brasileira está tensa e dramática, mas precisa fincar os pés antes de fazer uma crítica e não se mover pelas paixões partidárias. Antes compartilhar, apure!