Falta insulina na rede de saúde em Natal

Compartilhe:

A Associação Potiguar Amigos dos Diabéticos (APAD), fundada neste ano, denuncia a falta de insulinas nos postos das redes municipais de saúde. Desde a quarta-feira (11), a equipe está fazendo uma campanha nas redes sociais para falar da ausência do medicamento da marca Lantus, que acontece desde maio deste ano.

A campanha pode ser conferida neste link:

Insulina é a hormona responsável pela redução da glicemia (taxa de glicose no sangue), ao promover o ingresso de glicose nas células.Esta é também essencial no consumo de carboidratos, na síntese de proteínas e no armazenamento de lipídios. Quando a produção de insulina é deficiente, a glicose acumula-se no sangue e na urina, destruindo as células por falta de abastecimento: diabetes mellitus.

Para pacientes nessa condição, a insulina é providenciada através de injeções, ou bombas de insulina.

No caso da Lantus, a insulina vem em forma de caneta ou em injeção, no qual o paciente coloca no abdômen o medicamento para controlar as taxas de glicose a partir de um período mais longo. Desde o ano de 2014, a Justiça acatou a ação do Ministério Público obriga todos os estados brasileiros a fornecer insulinas de longa duração.

Insulina da marca Lantus
Insulina da marca Lantus

A vantagem destes medicamentos é que são capazes de manter a glicemia em valores adequados por muito mais tempo do que uma insulina normal. A detemir e a glargina têm uma duração total de 20 a 26 horas. Entretanto, o medicamento é mais caro que as outras insulinas existentes no mercado.

Como a insulina é um medicamento na categoria de saúde básica, o mesmo é distribuído pelas redes municipais.

De acordo com Wellinton Albuquerque, presidente da Associação Potiguar Amigos dos Diabéticos, eles já tentaram entrar em contato com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para saber quando voltará a ficar disponível, mas sem sucesso.

“Estivemos em reunião com o secretário de Saúde, Luiz Roberto Fonseca, já faz duas semanas e ele foi categórico com a nossa associação de que o Município não tinha mais dinheiro para comprar as insulinas e insumos, e que a farmácia municipal não iria mais fornecer as insulina e insumos por enquanto. Além disso, nos orientou a judicializar para obter os meu medicamentos”, afirmou Albuquerque.

Wellinton comentou que o preço da Lantus nas farmácias, por exemplo, pode custar entre R$ 125,00 a R$ 150,00, sendo em média um diabético utiliza de 3 a 4 canetas de insulina por mês. Além das insulinas, estão faltando tiras de medição de glicemia e lancetas para a coleta de sangue para medição da glicemia.

“Estamos cadastrando todos os diabéticos que deixaram de receber as insulinas e insumos para judicializar os seus direitos”, afirmou o presidente da Associação, no qual comentou que outras cidades do Rio Grande do Norte estão passando por esse mesmo problema.


Sobre Lara Paiva

Oi, eu sou o Goku. Mentira, meu nome é Lara. Sou jornalista formada pela UFRN, natural de Natal. Sempre fui de humanas. Tem um blog para expor as suas curiosidades e anseios desta vida e mostrar os diferentes lados da vida urbana.

Comentários no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Breche Também

error: Content is protected !!