Ato “Por Todas Elas”: o dia que a Ribeira questionou o machismo

Compartilhe:

Grupo de mulheres realizam protesto em todo o Brasil contra os casos de estupros e violência contra mulher que foram impunes. Recentemente, no Rio de Janeiro, uma jovem de 16 anos, atacada por mais de 30 homens e exposta em vídeo divulgado na internet, revoltou milhões de pessoas no Rio, no Brasil e no exterior. Neste sábado (28), o protesto aconteceu em Natal, no bairro da Ribeira, onde mulheres marcharam pelas ruas, com cartazes em punho, por melhores apurações nos casos envolvendo crimes contra o gênero feminino e também pelo fim da cultura do machismo.

Fotos: Itamar Léo
Fotos: Itamar Léo

O nome do evento se chama “Por Todas Elas”, a intenção é mostrar a revolta pelo caso que chocou várias cidades brasileiras.

“Os agressores divulgaram vídeos e fotos em redes sociais como se fossem troféus por seu feito. Violentaram-na e depois expuseram-na. Essa violência não é um fato isolado, essa violência é reflexo da nossa sociedade machista, de uma sociedade que condena e culpa a vítima, e justifica a violência do agressor, sociedade essa que todos os dias estupra várias mulheres, que espanca, assedia, discrimina, menospreza, que quer nos colocar sempre em lugar de submissão, de inferioridade aos homens, sociedade essa que tem seu governo omisso ás violências sofridas por nós mulheres diariamente”, disse uma das organizadoras do evento.

Centenas de mulheres compareceram ao tradicional bairro da capital potiguar e mostraram as suas indignações pelo fato da mulher ter que ser desafiada em todas as fases de suas vidas. Várias imagens e vídeos do protesto foram compartilhadas nas redes sociais. O protesto foi totalmente organizado através do Facebook e nesta semana mais protestos em outras cidades brasileiras ocorrerão.

“Nós não vamos mais deixar passar esse machismo que quer se tornar crônico, não mais nos calaremos, não mais nos silenciaremos, e em forma de grito, de manifesto, de repúdio à todas as forma de violência sofrida por nós mulheres seja física ou psicológica”, conta a descrição do evento via Facebook.

O ponto de concentração do evento foi a sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), onde o local está sendo ocupado por críticas as atitudes do atual governo de Michel Temer, como a extinção inicial do Ministério da Cultura e fim da Secretaria Nacional de Mulher. Vale lembrar que o primeiro ministério citado já foi recriado.

“O protesto foi lindo,é orgulho,é luta…Quando uma mulher luta o machismo retrocede”, comentou uma das participantes do evento no Facebook após de ter participado do ato.

Além disso, houve uma intervenção artística chamada #ADordeTodos, no qual atores desfilaram de camisetas brancas e as mancharam de tinta vermelha, representando a dor vítimas. O grupo também fotografou homens e mulheres que participaram do ato. O integrante do grupo, Itamar Léo, cedeu as fotos para o Brechando.

De acordo com a estimativa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), com base em informações das secretarias estaduais de Segurança, apenas 35% desses crimes são registrados nas delegacias em todo o país.

Apesar do foco do ato é mostrar a indignação das mulheres, muitos homens acompanharam a manifestação como forma de apoiar as meninas.

Confira as fotos a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.


Sobre Lara Paiva
Oi, eu sou o Goku. Mentira, meu nome é Lara. Sou jornalista formada pela UFRN, natural de Natal. Sempre fui de humanas. Tem um blog para expor as suas curiosidades e anseios desta vida e mostrar os diferentes lados da vida urbana.

Comentários no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Breche Também

error: Content is protected !!