Trans potiguares que destacam na cidade

Compartilhe:

Em novembro, a imprensa potiguar noticiou dados postados no site Brasil Post, que levou em consideração pesquisas do Mapa da Violência, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Grupo Gay da Bahia (GGB), sobre os assassinatos de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT) ocorridos entre 2013 e 2014. Os números da violência no RN registram 4,45 assassinatos de LGBT a cada milhão de habitantes, acontecem 4,71 mortes no estado mato-grossense.  O estado potiguar é o terceiro estado que mais mata transexuais.

 De acordo com o verbete do Wikipedia:

Transexualidade refere-se à condição do indivíduo que possui uma identidade de gênero diferente da designada ao nascimento e apresenta uma sensação de desconforto ou impropriedade em relação ao seu sexo anatômico, manifestando o desejo de viver e ser aceito como sendo do sexo oposto.

Apesar dos dados negativos, o Brechando quer mostrar transexuais que dão exemplo para a sociedade potiguar a partir da luta de serem reconhecidas e ajudarem outras pessoas a seguir os seus passos. Confira aqui:

Rebecka de França

maxresdefault (2)

Rebecka de França é uma das mais conhecidas ativistas da causa dos transexuais no Rio Grande do Norte. Foi ela quem criou o grupo de defesa aos travestis e transexuais no estado (Atransparência-RN). Atualmente, ela cursa Geografia e pretende ser professora.

O grupo A Transparência-RN é uma sigla que significa Associação de Travestis e Transexuais Potiguares na Ação pela Coerência e já conquistou vitórias importantes como, por exemplo, o direito da classe usar o nome social, e não o de batismo, nas chamadas escola e entre outros lugares.

Emily Mel

3331851

Emily Mel Fernandes tem 25 anos e é estudante de psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Quando ingressou na faculdade, ela começou a sua transição e ao mesmo tempo surgiu as primeiras batalhas, Emily foi a primeira estudante transexual a morar na Residência Universitária e foi a primeira trans antes do estado a conseguir mudar de nome antes da realização da cirurgia de redesignação sexual.

Emilly atualmente ocupa seu dia entre a bolsa de apoio técnico que executa no Núcleo Interdisciplinar Tirésias de Estudos em Gênero, Sexualidade e Direitos Humanos na Universidade Federal do Rio Grande do Norte e o período final do curso de Psicologia na mesma instituição.

Leilane Assunção

44004a92-8a7a-490b-bd0d-c8bd6c1ca44c

Antes da entrada de Emily, Leilane foi uma das primeiras transexuais a ingressar na UFRN. Foi a primeira transexual a conseguir o doutorado dentro da universidade no curso de Ciências Sociais, apesar das dificuldades. Atualmente, ela é professora do Departamento de História da mesma instituição de ensino.

A professora começou a sua transição aos 24 anos e vem de uma família evangélica com cinco irmãs.  Hoje, ela também é ativista dos direitos humanos e defende o direito dos transexuais a ingressar na faculdade e exercer a área acadêmica.


Sobre Lara Paiva
Oi, eu sou o Goku. Mentira, meu nome é Lara. Sou jornalista formada pela UFRN, natural de Natal. Sempre fui de humanas. Tem um blog para expor as suas curiosidades e anseios desta vida e mostrar os diferentes lados da vida urbana.

Comentários no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Breche Também

error: Content is protected !!