O que foi o Arpege? Prédio está caindo aos pedaços

Compartilhe:

Argepe foi uma boate/cabaré que existiu até a década de 1990, ficava na Rua Chile, na esquina com a Travessa Venezuela. Assim como o Maria Boa, ele foi o espaço bastante conhecido pela boêmia potiguar. Hoje, o prédio está completamente destruído, os pavimentos superiores foram derrubados com a falta de reparos. Agora, nós vamos contar a história deste patrimônio da cidade.

O prédio foi construído no século XX por um família de alemães, tendo inicialmente funcionando como um armazém para depósito chamado “Secos e Molhados”.  Em 1941, o empresário Nestor Galhardo adquire parte da edificação, tendo o intuito de instalar sua própria gráfica, ocupando apenas o pavimento térreo.

De acordo com a dissertação de mestrado de Gilmar Siqueira, a Segunda Guerra Mundial, Galhardo decidiu abrir um cabaré no pavimento superior, que seria administrado por sua amante e cuja entrada era feita através da Travessa Venezuela. O nome oficial do prédio é Edifício Galhardo. 

Reza a lenda que os presidentes Franklin Roosevelt (EUA) e Getúlio Vargas quando visitaram a capital potiguar, em 1941, teriam passado no cabaré.

Após a morte do seu proprietário, o  Nestor Galhardo Neto assume a administração dos negócios contidos no imóvel. Durante algum tempo, a gráfica permaneceu em atividade e, após alguns problemas ocasionados a gráfica ficou fechada.

89132
Foto: Fernando Caldas

O local serviu como cenário para dois filmes, o “For All- Trampolim da Vitória” e “O Homem que Desafiou o Diabo”.

Cabaré Arpege quando ainda estava inteiro
Cabaré Arpege quando ainda estava inteiro (Foto: Zé Paulo Cardeal)

No ano de 2005, o imóvel é adquirido pela empresária carioca Paula Homburger, que acreditou no projeto de revitalização da Ribeira. A intenção era construir um restaurante no local onde por muitos anos funcionou o cabaré, porém a ideia não deu certo por diversas razões.

Em 2008, parte da estrutura do cabaré da Arpege é destruída com as fortes chuvas na cidade, chegando a ser interditado pelo Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte . No ano de 2010, o prédio foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), mas nenhum plano de revitalização ou reforma existe.


Sobre Lara Paiva

Oi, eu sou o Goku. Mentira, meu nome é Lara. Sou jornalista formada pela UFRN, natural de Natal. Sempre fui de humanas. Tem um blog para expor as suas curiosidades e anseios desta vida e mostrar os diferentes lados da vida urbana.

Comentários no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Breche Também

error: Content is protected !!