O que é a Barreira do Inferno?

Compartilhe:

A Barreira do Inferno é o nome do Centro de Lançamento organizado pela Força Aérea Brasileira para lançamentos de foguetes. Fundada em 1965, se tornou a primeira base aérea de foguetes da América do Sul e fica no município de Parnamirim, região Metropolitana de Natal e próximo da estrada que leva para algumas praias do Litoral Sul. Nela se concentram operações de lançamento de foguetes de pequeno e de médio porte.

O nome surgiu pelos pescadores da região, em razão de observarem o reflexo do sol nas falésias da base, vermelhas como fogo, sempre que retornavam do mar ao entardecer.

O local foi escolhido por ser próximo do equador magnético, baixo índice pluviométrico, grande área de impacto representado pelo oceano e condições de ventos predominantemente favoráveis. A faixa de praia da base, por estar protegida do acesso do público externo, tornou-se uma importante área de reprodução de tartarugas marinhas, sob a supervisão do Projeto Tamar, desde 2005.

As desovas nas praias da área da Base são monitoradas pelo projeto, com a cooperação dos militares. Por permanecerem isoladas e protegidas, em escuridão total durante a noite, constitui-se assim em um perfeito refúgio para as tartarugas desovarem.

As atuais atividades da base são o rastreamento do veículo lançador Ariane, em conjunto com o Centro Espacial Francês a partir de um acordo com a Agência Espacial Europeia (ESA) e continuação dos testes e experimentos de interesse do Comando da Aeronáutica.

Além disso, o local é usado para experimentos da Marinha e do Exército Brasileiro e venda de serviço de lançamentos e rastreamentos de de foguetes suborbitais para organizações nacionais e estrangeiras, colocando os meios operacionais à disposição da comunidade científica internacional para a realização de operações espaciais, em especial aquelas relacionadas com a pesquisa e o monitoramento do meio ambiente, principalmente através da observação da atmosfera.

Lá também existe o Centro de Cultura e Informações Turísticas (CCEIT), quer preserva a história e o patrimônio da Barreira, e, possibilita visitas gratuitas, previamente agendadas aos visitantes e turistas, a fim de tornar público a sua missão e atividades desenvolvidas. É possível visualizar o acervo, que contém peças originais e réplicas dos foguetes ali lançados e radares meteorológicos.

As visitas são gratuitas, 9h às 16h30, e acompanhadas por servidores civis e militares, somente em português. O museu pode ser visitado sem agendamento prévio, contudo quando há necessidade de palestras para um grupo maior, as visitas, que tem duração média de uma hora podem ser agendadas via telefone: (84) 3216-1455 ou e-mail: visitaclbi@gmail.com.


Sobre Lara Paiva
Oi, eu sou o Goku. Mentira, meu nome é Lara. Sou jornalista formada pela UFRN, natural de Natal. Sempre fui de humanas. Tem um blog para expor as suas curiosidades e anseios desta vida e mostrar os diferentes lados da vida urbana.

Comentários no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Breche Também

error: Content is protected !!