Pessoas foram presas no RN por publicar fotos de cadáveres na internet

Compartilhe:

Nesta sexta-feira (23), algo me deixou surpresa, pois a polícia prendeu cinco pessoas indiciadas pelo crime de vilipêndio de cadáver por compartilhar e replicar na internet as imagens de uma mulher morta em acidente de trânsito. Esse é o primeiro inquérito desse tipo do estado.

Vilipêndio, segundo o dicionário, é a ação de fazer com que alguém seja humilhado.  Os indiciados são Natália da Silva Galvão, José Eduardo de Oliveira, Cícero Batista da Silva, Janilson Gomes da Silva e Saulo Costa Barbosa de Santana.

De acordo com a Polícia Civil de Monte Alegre, fotos e vídeos de uma vítima de um acidente de trânsito que aconteceu no dia 15 de maio. As imagens foram compartilhadas em diversas redes sociais.  O crime de vilipêndio de cadáver é considerado crime contra o respeito aos mortos, previsto no artigo 212 do Código Penal Brasileiro.

Eles conseguiram identificá-los graças ao depoimento do viúvo, que viu pessoas fotografando e filmando o local do acidente, principalmente o cadáver da vítima, apesar dos policiais presentes tentarem impedir esta prática criminosa.

Caso venham a ser condenados na justiça pelo crime os indiciados poderão ser penalizados com 1 a 3 anos de detenção.

Infelizmente (sim, infelizmente), a gente recebe daqueles parentes sanguinários fotos de pessoas mortas, vítimas da violência, independente se foi morto por traficantes ou por uma operação policial. É comum quando ocorre algum crime na vizinhança ver um mar de gente com os celulares nas mãos, com o objetivo fazer algo “exclusivo” e ignorando que estavam os familiares presentes sofrendo por alguém que acabara de falecer.

As pessoas não pensam no lado “humano”, mas dá uma rápida observação do que viu e tira falsas ideias.

Para piorar a situação, existe uma fanpage com a falsa ideia que está fazendo um jornalismo de verdade,  no qual ajuda ainda mais a divulgar este tipo de imagem e vídeos. O pior são os comentários das pessoas comentando e colocando diversas mensagens de ódio (é comum ver “Já Vai Tarde”, “Bandido Bom é Bandido Morto”, “Que bom que lincharam”…).

Muitos casos famosos na cidade tiveram sua trágica morte revelada de forma brusca e sem nenhum consentimento. Uma das coisas que mais lembrei foi de um garoto desaparecido e quando descobriu que ele tinha retirado a sua vida, sua foto foi divulgada em vários celulares. Causando uma dor pior para os familiares que eram obrigados a ver aquele parente naquela situação e que não desejavam ver isso.


Sobre Lara Paiva

Oi, eu sou o Goku. Mentira, meu nome é Lara. Sou jornalista formada pela UFRN, natural de Natal. Sempre fui de humanas. Tem um blog para expor as suas curiosidades e anseios desta vida e mostrar os diferentes lados da vida urbana.

Comentários no Facebook

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Breche Também

error: Content is protected !!